Skip to content Skip to footer

A NOSSA AÇÃO

O José, a Joana, a Carolina, o Sebastião, o João, o António, o David, a Lurdes, o Nuno, o Tomás, o Cláudio, o Diogo… são apenas alguns dos super-heróis cujas vidas se transformaram para sempre.

A Sra. Diana, o Dr. Laurent, a Sra. Sofia, o Sr. José Maria, a Sra. Maria, a Sra. Mariana… são também apenas alguns dos clientes e empregadores cujas vidas também se deixaram transformar.

E CONSIGO? VENHA DAÍ E AJUDE-NOS TAMBÉM A TRANSFORMAR VIDAS!

OS NÚMEROS:

  • Cerca de 15.000 pessoas em Portugal têm trissomia 21 (Dados: Pais21/Down Portugal)
  • Cerca de 150.000 a 200.000 portugueses têm perturbações do espectro do Autismo. (Fonte DN 2016)

E mais:

  • Cerca de 15% das pessoas com DID que estão em instituições em regime ocupacional teriam capacidade para ser autónomas (Carta Social de 2014).
  • São gastos pelo menos 31.000.000€ anualmente na ocupação destas pessoas, ao invés de serem investidos na sua autonomia e profissionalização.

O PROBLEMA:

Há muitas pessoas ditas “diferentes” que não estão integradas a trabalhar.
A razão quanto a nós é porque esta situação é desconhecida pelos vários sectores profissionais.
Como poderemos querer integrar pessoas ditas “diferentes” nas nossas vidas, se não as conhecemos no nosso dia-a-dia?
Como podemos esperar que um empregador se lembre que pode transformar positivamente a vida de alguém com trissomia 21 ou com autismo – e, consequentemente, da sua equipa – se no seu quotidiano não tem oportunidade de conhecer as reais capacidades de trabalho destes candidatos?Como podemos aprender a ultrapassar o medo e o preconceito relativamente a quem não conhecemos?

A SOLUÇÃO:

Encontrar e promover meios de poder colocar estas pessoas no mercado de trabalho e em contacto com a sociedade em geral.
SIM: Pessoas com uma Dificuldade Intelectual e do Desenvolvimento podem ser autónomas.
SIM: Pessoas com Dificuldade Intelectual e do Desenvolvimento são verdadeiros super-heróis que trazem perspetivas e valências diferentes às pessoas e às empresas.
SIM: Quem conhece e/ou emprega pessoas com algum tipo de limitação cognitiva é testemunho vivo de que vale a pena ultrapassar o medo e o preconceito, pois todos ficam a ganhar.
SIM: Grande parte de nós quer ter um papel mais ativo na sociedade e contribuir de alguma forma para mudar o mundo para melhor, só que muitas vezes não sabemos como.
SIM; Desenvolvemos continuamente um método e programas que permitem a formação, a integração, e o acompanhamento dos jovens e das empresas empregadoras…

OS NÚMEROS SÃO ESTES:

  • Cerca de 15.000 pessoas em Portugal têm trissomia 21 (Dados: Pais21/Down Portugal)
  • Cerca de 150.000 a 200.000 portugueses têm perturbações do espectro do Autismo. (Fonte DN 2016)

E mais:

  • Cerca de 15% das pessoas com DID que estão em instituições em regime ocupacional teriam capacidade para ser autónomas (Carta Social de 2014).
  • São gastos pelo menos 31.000.000€ anualmente na ocupação destas pessoas, ao invés de serem investidos na sua autonomia e profissionalização.

O PROBLEMA:

Há muitas pessoas ditas “diferentes” que não estão integradas a trabalhar.
A razão quanto a nós é porque esta situação é desconhecida pelos vários sectores profissionais.
Como poderemos querer integrar pessoas ditas “diferentes” nas nossas vidas, se não as conhecemos no nosso dia-a-dia?
Como podemos esperar que um empregador se lembre que pode transformar positivamente a vida de alguém com trissomia 21 ou com autismo – e, consequentemente, da sua equipa – se no seu quotidiano não tem oportunidade de conhecer as reais capacidades de trabalho destes candidatos?Como podemos aprender a ultrapassar o medo e o preconceito relativamente a quem não conhecemos?

A SOLUÇÃO:

Vamos lá descomplicar isto e trocar o não pelo SIM 😉: encontrar e promover meios de poder colocar estas pessoas no mercado de trabalho e em contacto com a sociedade em geral.
SIM: Pessoas com uma Dificuldade Intelectual e do Desenvolvimento podem ser autónomas.
SIM: Pessoas com Dificuldade Intelectual e do Desenvolvimento são verdadeiros super-heróis que trazem perspetivas e valências diferentes às pessoas e às empresas.
SIM: Quem conhece e/ou emprega pessoas com algum tipo de limitação cognitiva é testemunho vivo de que vale a pena ultrapassar o medo e o preconceito, pois todos ficam a ganhar.
SIM: Grande parte de nós quer ter um papel mais ativo na sociedade e contribuir de alguma forma para mudar o mundo para melhor, só que muitas vezes não sabemos como.
SIM; Desenvolvemos continuamente um método e programas que permitem a formação, a integração, e o acompanhamento dos jovens e das empresas empregadoras…

ESTA É A NOSSA PROPOSTA, VENHA SABER MAIS SOBRE A MISSÃO.
ONDE?

NUM CAFÉ JOYEUX PERTO DE SI

O Café Joyeux emprega para formar, jovens-adultos com DID, que lhe servirão – com o coração – refeições deliciosas e saudáveis que não vai querer perder. Existem 4 cafés abertos em Portugal e queremos abrir mais pelo país, para que não haja desculpas para não conhecer a mais-valia na diferença. 

NA LOJA ZARA HOME FOR&FROM

O conceito for&from da Inditex é uma rede de lojas sociais administrada por entidades sem fins lucrativos e atendida por pessoas com algum tipo de capacidade especial. A primeira loja em Portugal abriu portas no Freeport Fashion Outlet, em Alcochete, em parceria com a Associação VilacomVida, que assume o papel da gestão deste negócio social.

NO SEU LOCAL DE TRABALHO

Pergunte-nos como. Mais de 20 empresas de diversos setores de atividade são hoje empresas inclusivas porque subscreveram o nosso serviço Follow-up, através do qual recrutamos e integramos, em parceria com instituições especializadas na área da incapacidade intelectual, e com a Valor-T, SCML – pessoas com DID.

Asset-29

TESTEMUNHOS

Asset 44
contratos de trabalho assinados com empresas de diversos setores de atividade.
0
processos de acompanhamento on-the-job.
0
jovens-adultos contratados e felizes na sua profissão.
0

JUNTOS SOMOS MAIS FORTES.

Asset-28

IMPACTO NO FUTURO

ESTE É O NOSSO COMPROMISSO A 6 ANOS:

  • 6 Cafés-restaurantes Joyeux abertos, onde empregaremos mais de 60 pessoas com DID
  • Mais de 50 pessoas com DID formadas “on the job” e em contexto inclusivo  
  • Mais de 60 pessoas com DID a serem acompanhadas pelo programa de empregabilidade Follow-up.
  • Uma sociedade mais aberta à diferença
  • Empresas que cada vez excluem menos pessoas com DID porque as integram naturalmente nos seus processos de seleção
  • E finalmente: uma sociedade onde a diferença já não se verá, pois fará genuinamente parte de nós. Esta é a nossa Visão
Asset-26

O TRABALHO EM REDE

E juntos somos mais fortes. A VilacomVida trabalha em rede com os jovens que acompanhamos, as famílias, as escolas, as instituições, os terapeutas, para alcançarmos um mesmo objetivo: a realização pessoal e profissional como estratégia para uma vida autónoma de jovens-adultos com DID.

Asset-25

A SUSTENTABILIDADE DA NOSSA MISSÃO

A VilacomVida não é subsidiada pelo Estado português. Por termos a missão de uma causa, mas a visão de uma empresa, a sustentabilidade desta organização é a nossa principal prioridade.
Para sustentar a nossa atividade, recorremos a financiamento social de programas corporativos e europeus, fazemos campanhas de angariação de fundos e obtemos receitas próprias através de duas vias distintas (os nossos negócios sociais), que além de serem parte da solução acima, os resultados também apoiam a sustentabilidade financeira da nossa missão:

OS CAFÉS-RESTAURANTE JOYEUX E A ESCOLA JOYEUX

  1. Os cafés-restaurante Joyeux

A primeira família de café-restaurantes solidários e inclusivos, nascida em França e que emprega – para então formar – pessoas com dificuldades intelectuais e do desenvolvimento, chegou a Portugal em 2021. Através de um modelo de franchising social, a VilacomVida representa esta marca com exclusividade no nosso país, assumindo o compromisso de a fazer crescer, para assim empregar e formar, mais pessoas com DID.
A principal ambição é a de colocar a diferença no centro das nossas cidades e das nossas vidas, potenciar o encontro em meio comum e propor trabalho a pessoas afastadas do meio laboral.
Por estar perfeitamente alinhada com a nossa missão, e por se tratar de um conceito semelhante ao já testado com sucesso no projeto-piloto CafécomVida, não quisemos perder tempo a reiventar a roda e desafiámos a marca a internacionalizar-se, começando por Portugal.
Nos cafés-restaurantes Joyeux também é implementado o MIVA:

  • Fazemos despiste vocacional de jovens com DID ainda em idade escolar
  • Formamos em contexto de trabalho através do modelo certificado “Escola Joyeux”
  • Garantimos que o contrato de trabalho perdura e prepara para uma vida autónoma.

2. Escola Joyeux

É a primeira escola de formação associada a uma unidade de cafetaria/restauração e permite ao colaborador/ formando:
Ser autónomo e ao mesmo tempo continuar a aprender – as pessoas com DID que trabalham no Joyeux têm um contrato de trabalho remunerado, e beneficiam também de um programa de formação gratuito para as famílias, que forma colaboradores polivalentes no sector da restauração: cozinha, barista, serviço de mesa e caixa.
Uma capacitação em alternância: teórica e prática
Um Certificado de Qualificação Profissional de agente polivalente na restauração reconhecido pelo sector profissional.
Uma formação: adaptada a um público com deficiência ou incapacidade, e à sua localização específica no país é ministrada pelos gerentes dos cafés e por formadores certificados, por todo o território nacional.

A VilacomVida tem prestado ajuda às empresas parceiras na empregabilidade inclusiva, apresentando um serviço total: desde a identificação do jovem talento e recrutamento e integração até ao processo de contratação e acompanhamento total.

Gostava de obter mais informações?

Através destes dois negócios sociais esperamos reduzir cada vez mais o peso dos donativos na sustentabilidade da nossa missão.

OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Finalmente, mas também muito imprtante, na nossa ação temos o objetivo de ajudar a atingir os ODS mundiais.
A Convenção dos Direitos das Pessoas com Deficiência (Nações Unidas, 2007) consagra, entre outros, no artigo 27.º o Direito ao Trabalho e Emprego onde se destaca a oportunidade da pessoa com deficiência escolher um trabalho ou ser aceite no mercado e ambiente de trabalho inclusivo, através de condições de trabalho seguras e saudáveis, promovendo o acesso efetivo a programas de orientação técnica e vocacional, serviços de colocação e formação contínua, bem como a oportunidades de emprego e progressão na carreira, incluindo ainda o apoio na procura, obtenção, manutenção e regresso ao emprego.
Na VilacomVida estamos conscientes deste caminho e de que a única forma de o percorrer é em parceria.
Por isso, ao apoiar a VilacomVida, estará já a contribuir para 4 dos 17 Objetivos Desenvolvimento Sustentável.

Quer juntar-se a nós e fazer acontecer hoje aquilo que vai ajudar a mudar o futuro das crianças e jovens com dificuldades de desenvolvimento.

A SUSTENTABILIDADE DA NOSSA MISSÃO

A VilacomVida não é subsidiada pelo Estado português. Por termos a missão de uma causa, mas a visão de uma empresa, a sustentabilidade desta organização é a nossa principal prioridade.
Para sustentar a nossa atividade, recorremos a financiamento social de programas corporativos e europeus, fazemos campanhas de angariação de fundos e obtemos receitas próprias através de duas vias distintas (os nossos negócios sociais), que além de serem parte da solução acima, os resultados também apoiam a sustentabilidade financeira da nossa missão:

OS CAFÉS-RESTAURANTE JOYEUX E A ESCOLA JOYEUX

  1. Os cafés-restaurante Joyeux

A primeira família de café-restaurantes solidários e inclusivos, nascida em França e que emprega – para então formar – pessoas com dificuldades intelectuais e do desenvolvimento, chegou a Portugal em 2021. Através de um modelo de franchising social, a VilacomVida representa esta marca com exclusividade no nosso país, assumindo o compromisso de a fazer crescer, para assim empregar e formar, mais pessoas com DID.
A principal ambição é a de colocar a diferença no centro das nossas cidades e das nossas vidas, potenciar o encontro em meio comum e propor trabalho a pessoas afastadas do meio laboral.
Por estar perfeitamente alinhada com a nossa missão, e por se tratar de um conceito semelhante ao já testado com sucesso no projeto-piloto CafécomVida, não quisemos perder tempo a reiventar a roda e desafiámos a marca a internacionalizar-se, começando por Portugal.
Nos cafés-restaurantes Joyeux também é implementado o MIVA:

  • Fazemos despiste vocacional de jovens com DID ainda em idade escolar
  • Formamos em contexto de trabalho através do modelo certificado “Escola Joyeux”
  • Garantimos que o contrato de trabalho perdura e prepara para uma vida autónoma.

2. Escola Joyeux

É a primeira escola de formação associada a uma unidade de cafetaria/restauração e permite ao colaborador/ formando:
Ser autónomo e ao mesmo tempo continuar a aprender – as pessoas com DID que trabalham no Joyeux têm um contrato de trabalho remunerado, e beneficiam também de um programa de formação gratuito para as famílias, que forma colaboradores polivalentes no sector da restauração: cozinha, barista, serviço de mesa e caixa.
Uma capacitação em alternância: teórica e prática
Um Certificado de Qualificação Profissional de agente polivalente na restauração reconhecido pelo sector profissional.
Uma formação: adaptada a um público com deficiência ou incapacidade, e à sua localização específica no país é ministrada pelos gerentes dos cafés e por formadores certificados, por todo o território nacional.

A VilacomVida tem prestado ajuda às empresas parceiras na empregabilidade inclusiva, apresentando um serviço total: desde a identificação do jovem talento e recrutamento e integração até ao processo de contratação e acompanhamento total.

Gostava de obter mais informações?

Através destes dois negócios sociais esperamos reduzir cada vez mais o peso dos donativos na sustentabilidade da nossa missão.

OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Finalmente, mas também muito imprtante, na nossa ação temos o objetivo de ajudar a atingir os ODS mundiais.
A Convenção dos Direitos das Pessoas com Deficiência (Nações Unidas, 2007) consagra, entre outros, no artigo 27.º o Direito ao Trabalho e Emprego onde se destaca a oportunidade da pessoa com deficiência escolher um trabalho ou ser aceite no mercado e ambiente de trabalho inclusivo, através de condições de trabalho seguras e saudáveis, promovendo o acesso efetivo a programas de orientação técnica e vocacional, serviços de colocação e formação contínua, bem como a oportunidades de emprego e progressão na carreira, incluindo ainda o apoio na procura, obtenção, manutenção e regresso ao emprego.
Na VilacomVida estamos conscientes deste caminho e de que a única forma de o percorrer é em parceria.
Por isso, ao apoiar a VilacomVida, estará já a contribuir para 4 dos 17 Objetivos Desenvolvimento Sustentável.

Quer juntar-se a nós e fazer acontecer hoje aquilo que vai ajudar a mudar o futuro das crianças e jovens com dificuldades de desenvolvimento.

NOTÍCIAS

Icon

NEWSLETTER

Deixe-nos mantê-lo a par de como estamos a fazer acontecer, subscreva a nossa newsletter

Consentimento
politica privacidade(Obrigatório)
Este campo é para efeitos de validação e deve ser mantido inalterado.